Browsing tag: delicadezas

Crônica: Oceânica


O difícil mesmo é começar a escrever: depois disso, uma palavra puxa a outra, depois delas vem mais uma, outra logo se cola às que vieram antes e, quando menos se espera, lá está o primeiro ponto final. E a ideia vai se desincompletando. O caldo ganha corpo, o corpo ganha força, a força ganha

A Alma da crônica


Até há pouco tempo, eu diria que nunca pensei muito a respeito do que é uma crônica até ter que escrever uma. Mas, na verdade, antes disso eu já achava que nunca tinha pensado sobre o que é uma crônica até ter que estudar sobre crônicas na faculdade. Hoje, sou tentada a achar que nunca

Crônica: Amor real


Essa é a história de um amor real. Não se desaponte, porém, por não ser um amor como os que a gente vê no cinema e na TV. Esse é um tipo de amor diferente, o tipo que só se pode sentir pelas criaturas delicadas. Por aquelas que não sabem de si. Aquelas que não

Crônica: Zé Fini


Meu pai costumava usar essa expressão todo o tempo. Ainda deve usar, acredito, mas nossa convivência já não é tão frequente como na infância, motivo de eu não a ouvir mais. Acabava o filme, Zé Fini, acabava o doce, Zé Fini, acabava (insira aqui qualquer outra coisa passível de acabar) e Zé Fini. Quando era

Crônica: Passarinha


Quintas-feiras geralmente não são dias para delicadezas. As coisas se constroem morosas e cansadas, e a delicadeza não se move em coisas duras: precisa de mais cuidado e disposição. Foi, porém, justamente em uma quinta-feira que se deu a coisa mais delicada que já me aconteceu. Era hora de voltar para casa e o sol

Crônica: Malemolência


Falei sobre Clarice Lispector e minha aluna começou a pesquisar. Encasquetou com a data de nascimento da autora, parece que ficou um tempo em cima disso, procrastinando sem perceber. Trouxe a questão para mim, quase irritada, dizendo que achou duas possibilidades, 1920 e 1925, e que não sabia qual era a certa. Eu dei a

Crônica: Felicidade em patas macias


Li certa vez um conto de J. M. Simmel (fui procurar agora o nome do autor) chamado “Felicidade em patas macias”. Mais do que o conto em si, o que mais me impressionou foi o título, e a ligação de tal título com o animal presente na história: um gato. Desde então, nunca consegui desatrelar

Quem escreve

Thays Pretti

Thays Pretti

Mestre em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Maringá, escrevo desde que me entendo por gente. Gosto de literatura escrita por mulheres, e também de literatura com pegada social ou existencialista. Gosto mais de livros de ficção do que de teoria, e prefiro a poesia ao pó.

Se inscreva no canal!

Curta a página no Facebook!